Alvaro Conde

QUADROS E MAIS

OBRAS DO ARTISTA

A arte e Alvaro Conde viviam em cumplicidade. Ela cobrava dele obras e mais obras. Ele fazia arte com ela.  Entre marinhas, paisagens, natureza-morta e nus artísticos, mais de 12.000 criações ou reproduções foram registradas.

Só de Convento da Penha foram mais de 500 quadros. Na arte de fazer arte, sabia como ninguém trocar as lágrimas de choro de uma criança, por lágrimas de largos e soluçantes sorrisos. Bastava-lhe um pouco de miolo de pão entre os dedos para dali surgir um brinquedinho qualquer que encantava e alegrava a todos os olhares. Olhares jovens e adultos.
Alvaro Conde fazia arte com a arte e com ela a arte de viver.
Suas obras encontram-se espalhadas em lares, palácios, assembléias legislativas, tribunais públicos e igrejas, no Brasil e no exterior.

 

Alvaro Conde, versátil na arte.
Na década de 30 quando o sistema gráfico esboçava seus primeiros avanços em forma de almanaques, folhinhas calendários e inovava na arte da comunicação por meio de cartão de visitas ou de lembranças da terra, Alvaro Conde já era chamado para fazer parte dos “clichês” feitos em antimônio e que reproduziam em preto e branco as belezas da terra capixaba.

O Convento da Penha é um monumento religioso erguido em 1558 em homenagem a Nossa Senhora da Penha, localizado no cume de uma montanha de 154 metros de altitude, no município de Vila Velha – ES, na barra do porto de Vitória. Foi nesta obra que ele parecia buscar inspiração para todos os seus trabalhos porque a retratou por mais de 500 vezes, de todos os angulos e nas mais diferentes formas. Sua maquete, em gesso, foi uma de suas esculturas preferidas.

Alvaro Conde, cenógrafo.